O que é semiótica e por que se preocupar com ela no marketing digital? -– Digital Land

O que é semiótica e por que se preocupar com ela no marketing digital?

O que é semiótica e por que se preocupar com ela no marketing digital?
"Apróx. 6 min de leitura".

O principal objetivo do marketing é transmitir uma mensagem ao potencial consumidor, ajudando-o a evoluir no processo de conversão e compra, seja de um produto ou serviço. Sabendo disso, é importante que tenhamos uma profunda capacidade de entender as significações de cada mecanismo utilizado, de forma a estabelecer em nossa mensagem um intenso poder de sedução. Para isso, saber o que é semiótica faz muita diferença.

Se você não está familiarizado com esse termo, nós explicamos. Grosso modo, a teoria da semiótica estuda os diferentes tipos de linguagem — como a publicitária, a jornalística e a do design —, partindo da análise do signo. Esse termo designa qualquer unidade dotada de significado, como uma palavra ou um elemento visual, e saber utilizá-la com propriedade é trazer mais força ao discurso.

No marketing, estamos a todo momento fazendo uso de diversos signos a fim de estabelecer uma conexão com o leitor, levando em conta a percepção do outro na hora de atribuir uma significação à nossa mensagem. Por isso, o estudo dos elementos que contribuem para a construção de uma interpretação pode ser fundamental para a elaboração de uma campanha eficaz. Acompanhe!

O que é semiótica?

A semiótica é, basicamente, a análise da construção de um significado. Seu pai é Charles Peirce (1839-1914), um filósofo e linguista que investigava nosso reconhecimento consciente de significações, afirmando que as atribuições de valores — ou a captação da mensagem — partem da relação entre a qualidade intrínseca do signo, isto é, a ideia que ele representa, com a percepção do interpretante — no nosso caso, o potencial consumidor.

Isso significa que um mesmo texto pode ter diversas interpretações, dependendo do conjunto de pressupostos que cada um tem em relação à realidade, o que está intimamente relacionado à bagagem cultural e social de uma pessoa. A semiótica é uma grande facilitadora nesse sentido, pois permite que o criador de uma mensagem entenda as dinâmicas e os efeitos que resultam de determinados mecanismos da linguagem.

Como funciona essa teoria?

Aplicando os estudos semióticos no marketing, o que temos é um poder maior de elaboração do discurso nas mãos de quem cria uma mensagem. Seja por meio de um post, um infográfico, uma imagem promocional — sabendo que um mesmo signo pode ter diversas interpretações, dominar a escolha deles pode ser decisivo ao entregar determinado valor ao cliente. Afinal, para guiar o consumidor em um fluxo de nutrição eficaz, é preciso presenteá-lo com informações certeiras.

Nesse sentido, saber o que é semiótica e como usá-la ao seu favor em uma campanha de marketing é muito positivo, já que favorece a segmentação da estratégia e o entendimento de como suas mensagens estão servindo para atrair ou afastar o público do objetivo final da compra. A compreensão dos significados proporciona mais assertividade na realização de ações, levando a persona à aquisição de um produto.

Quais impactos a semiótica traz para o marketing?

Ok, você já percebeu que a semiótica é incrível, mas vamos ao que interessa: como ela pode favorecer sua estratégia digital? Bem, o marketing é, antes de qualquer coisa, um processo comunicativo, já que envolve um emissor, uma mensagem e um receptor. Dessa forma, para que se dê de forma satisfatória, é preciso haver clareza em todas as etapas, a fim de que o objetivo da conversão seja alcançado. Veja como!

Eliminação de ruídos

A primeira grande vantagem em se trabalhar com o auxílio da semiótica é a possibilidade de reduzir ruídos. Como você já aprendeu, os significados são atribuídos tanto por quem o constrói como, também, por quem recebe a mensagem. De acordo com o aclamado linguista Ferdinand de Saussure (1857-1913), o signo é composto por duas partes: o significante — que é a forma física (no caso, as palavras, a grafia e o som) —, e o significado — que é o conceito imaterial ligado arbitrariamente àquela forma.

Por exemplo, ao se depararem com o significante “farol”, algumas pessoas automaticamente conectam à imagem de um farol marítimo. No entanto, o significado mais intuitivo para um paulistano é o conceito de um semáforo de trânsito. Viu só como um mesmo elemento pode ter várias leituras, dependendo da carga cultural e social de quem o interpreta? Ter essa noção é fundamental para reduzir ruídos comunicativos que atrapalham os consumidores na captação da mensagem pretendida.

Escolha de signos

Outra sacada é usar a semiótica para realizar uma escolha certeira de mecanismos na construção do discurso. As cores, o tipo de linguagem, o canal, o formato do texto, os elementos visuais etc. Nada disso deve ser usado por acaso — todos os elementos contribuem para que o cliente se aproxime ou se distancie do significado proposto por você. Por isso, sua escolha deve ser bem pensada e estar de acordo com o objetivo daquela ação de marketing, como conseguir uma curtida na página.

Nesse sentido, é fundamental aliar os estudos semióticos à segmentação do público. Observar como cada grupo se comporta em relação a determinado conjunto de signos possibilita um direcionamento mais efetivo da mensagem, com garantia de retornos positivos. Essa pode ser a grande diferença entre a sua campanha e a da concorrência: outra empresa pode até conseguir chamar atenção da persona, mas com uma escolha equivocada de símbolos, ela não conseguirá guiá-la na jornada de compra.

Agregação de valor

Por fim, a semiótica pode — e deve! — ser usada para agregar valor, proporcionando ao cliente uma ótima experiência de compra. Com seu auxílio, é possível encontrar a melhor forma de dar o significado pretendido. Uma boa dose de pesquisa de mercado e conhecimento de público por trás, de forma que você realmente entenda as preferências e necessidades do seu consumidor, mais uma mensagem construída com atenção — nos mínimos detalhes — de forma a conversar diretamente com ele: uma receita complexa, porém, certeira!

Até porque, o público é inteligente e consegue facilmente identificar uma campanha baseada em meros achismos ou em composições superficiais. Construir um material embasado em fundamentos científicos, com todos os pormenores que permitem uma construção de sentido mais profunda, indo além de uma análise genérica, é alcançar um maior controle de como ele será interpretado e, consequentemente, como ele moldará a opinião do cliente acerca do seu produto ou da sua marca.

Agora você já sabe o que é semiótica e como ela traz impactos nas suas ações de marketing digital. Perceba que a análise das significações anda lado a lado com as mudanças no comportamento do consumidor: para conseguir alcançar o seu cliente em potencial nos dias de hoje, você precisa falar de forma que ele não apenas entenda a sua mensagem, como se sinta atraído por ela. Por isso, faça do estudo semiótico seu aliado e alavanque os seus resultados!

Interessante, não é? Para ficar por dentro de outros posts com tendências e dicas para impulsionar sua estratégia digital, não se esqueça de assinar nossa newsletter!

Related Posts

share
× Posso Ajudar?